2016 / / Artigo

Seminário apresenta as tendências para o Brasil em 2035

Autor(es):

Ascom/Ipea

Data da Publicação:07/06/2016

Dimensão:
Tipo: Artigo
Foram identificadas tendências de peso em quatro dimensões (social, econômica, territorial, político-institucional) e em temas setoriais

Seminário apresenta as tendências para o Brasil em 2035

“Até houve o esforço de construção de planos como o Brasil 2020, o Brasil em três tempos e, recentemente, o Brasil 2022, assim como estamos fazendo hoje. Talvez tenhamos falhado mais na implementação desses planos do que propriamente em não termos feito o esforço de pensar o futuro do país, ou seja, em fazer com que, de fato, se tornassem referência para a construção do planejamento governamental”, disse o diretor de Desenvolvimento Institucional do Ipea, Alexandre Cunha, na abertura do seminário Plataforma 2100 – Tendências para o Brasil 2035, nesta terça-feira, dia 07/06, na sede do Instituto, em Brasília.

Cunha ressaltou que a finalidade do evento era apresentar um trabalho preliminar no processo de cenários Brasil 2035, identificando as megatendências do futuro e buscando ações para transformar esses rumos e propor novos direcionamentos. O diretor chamou a atenção para a contribuição que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de autoria do senador Donizete Nogueira (PT) pode dar ao projeto, ao recomendar a instituição de Planejamento Estratégico Nacional a longo prazo, com visão para 30 anos, como norteador das políticas públicas.

Para o chefe da Assessoria de Assuntos Estratégicos do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Ariel Pares, pensar estrategicamente começa a ser hoje um elemento importante nas agendas social e econômica brasileiras e torna-se uma questão essencial no governo. “O país passa por uma crise - não só brasileira como mundial- em que os conflitos de interesses são tão grandes que impõem, necessariamente, uma negociação de longo prazo”, destacou, lembrando que todos os compromissos vão exigir um tempo que não se coaduna com a atual tradição brasileira de planejamento de quatro anos.

O presidente da Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento (Assecor), Marcio Gimene, disse que nas 12 oficinas que foram realizadas nesta primeira etapa do projeto e no levantamento da Fiocruz com base em trabalhos anteriores, identificou-se uma série de tendências, não muito animadoras, até 2035. “Por um lado, isso pode ser preocupante, mas, por outro, indica que o trabalho foi bem feito e que está atento à necessidade de identificarmos com clareza os desafios que precisam ser enfrentados. Para combatermos os problemas, é preciso primeiro reconhecê-los”, afirmou.

O seminário
O seminário é um produto do projeto Brasil 2035 - Construindo hoje o país de amanhã, dentro da Plataforma Brasil 2100. A plataforma vem sendo construída em uma parceria entre o Ipea e a Assecor, com o objetivo de reunir instituições engajadas na construção de cenários prospectivos e pessoas de notório saber para produzir estudos de futuro, usando uma metodologia que dê uma visão de como será o país em 2100 e construa cenários, inicialmente para o Brasil de 2035, e depois para 2050.

O evento apresentou aos parceiros os resultados de diversas oficinas organizadas nos meses de março e abril que identificaram tendências de peso em quatro dimensões (social, econômica, territorial, político-institucional) e em temas setoriais (bioeconomia, previdência, segurança pública, energia e TICs).

Pela manhã, Yacine Guellati e Cláudio Monteiro, do Ipea, e Luiz Ribeiro, da Fiocruz, expuseram as tendências que se apresentam na dimensão social. Em seguida, Rafael Lima (Ipea) e Samuel Soares (Unesp) falaram sobre as tendências na dimensão político-institucional. No período da tarde, Jean Lima (Ipea), Ricardo Serone (Previ), Carlos Barão (Petrobras), Lavínia de Castro (BNDES) e Danielle Torres (Embrapa) discorreram sobre as tendências na dimensão econômica. Por fim, Joana Rocha fez uma abordagem na dimensão territorial, dando um recorte espacial para essas diferentes tendências levantadas nas oficinas realizadas.

Na dimensão social, por exemplo, Yacine Guellati falou de nove tendências, entre elas a questão do envelhecimento da população, que, segundo ele, ocorre desde os anos 1980 e aparece como uma forte tendência até 2035. “Isso ocorre por dois fatores principais: o aumento da expectativa de vida e a queda da taxa de fecundidade. De acordo com expectativas do IBGE, em 2040, o percentual de idosos, com mais de 65 anos, será maior do que o de jovens”, afirmou.

Outra tendência citada, desta vez na dimensão político-institucional, diz respeito ao aperfeiçoamento dos instrumentos de governança e da profissionalização da administração pública. “Foi identificada uma série de iniciativas demonstrando que, embora em movimentos diferentes, ainda há um constante esforço de aperfeiçoamento da gestão pública”, apontou Rafael Lima. Outro elemento citado pelo pesquisador nesse processo é a transparência no acesso à informação. Segundo ele, atualmente o Brasil é o 12º país onde se consegue dados mais facilmente, à frente inclusive de países como Alemanha, Reino Unido, Canadá e Bélgica.

COMENTÁRIOS

Realização:
Parceiros:
Apoio:



© 2017 Brasil 2100.    Todos os Direitor Reservados.